Desfragmentos

De um coração que já não existe mais.

Armamento.

Hoje depois de muitos acontecimentos me veio a inspiração, agora a pouco eu estava conversando com um amigo sobre um livro que me emprestou, não devolvi ainda, acabei abrindo o livro numa página em que chamou atenção e identifiquei:

"Por mais que fiquemos juntos ou separados, por mais que alguma razão isole um do outro por anos a fio, por mais que a gente se encontre uma vez na praça do bairro, você com alguém e feliz com ele, eu com alguém e feliz com ela, não se iluda. Sempre vou gostar de você. Me encontrou na rua, parece que estou completamente curado de você? É carapaça. Lá por dentro, ainda sinto o que sinto.
Por mais que seja completa loucura e irresponsabilidade minha dizer isso pra você, por mais que eu possa me arrepender de ter utilizado um armamento de uso extremamente restrito, com todas as implicações do tempo, espaço, encrencas e covardias, se você aparecer de repente, já disse e repito: esquecerei letras, errarei conjugações, fingirei que estou muito bem, mas não vou estar.
Por mais que não leve a nada dizer tão agressivas palavras, por mais que não se realiza o que está escrito para a gente, vai que nessa semana que eu preciso desse isolamento, dessa retirada estratégica, esse rescaldo, eu cometa a loucura de sentir menos o que sinto hoje de mais, tenha certeza que o que  estamos vivendo hoje - mesmo se não sair disso - vai ter algo que jamais sairá da memória da minha pele.
Por mais que eu também sinta um puta dum bode da expressão, porque pratiquei o seu uso muito pouco mesmo, e tive um amigo que era ator e não tinha problema nenhum em dizer a frase pra qualquer uma só pra faturar uma trepada, e concordo que fico todo travado pra dizer isso, fique sabendo que falei no carro, antes de sair, por covardia. Covardia de dizer, e depois não poder segurar a bronca por todos os motivos que sabemos muito bem sabido. Eu te amo.
Por mais que o uso imprudente da palavra tenha me provocado tal precipitado gesto, é imperativo que você saiba que, se não for isso é algo que eu desconheço o que seja e, portanto, inédito pra mim, como é tudo mais que se refere a você.
Saiba que você é o meu lado esquerdo, e eu preciso dele para poder andar sem tropeçar."

Retirado do Livro: Só os idiotas são felizes, Autora: Ailin Aleixo.

0 reclamações: